Negócios de eletroeletrônicos, químicos, aço, bens de consumo, produtos agrícola e alimentação, não para de crescer a lista de setores empresariais que sondam o potencial da cabotagem – a navegação costeira entre portos do mesmo país. Desde 2008, essa alternativa de transporte registrou crescimento anual médio de 10%.

O Porto do Rio Grande (RS), por exemplo, viu aumentar desde 2013 o transporte de arroz para Suape (PE), Fortaleza, Manaus e Itaguaí (RJ). De 2016 para cá, subiu também o carregamento de móveis do Sul para o Nordeste. Mas o aumento do custo com frete por causa do tabelamento, adotado pelo governo para acabar com a paralisação dos caminhoneiros, dá novo impulso à cabotagem.

“No primeiro semestre deste ano alcançamos 13% de expansão”, diz o presidente da Abac (Associação Brasileira dos Armadores de Cabotagem) e vice-presidente do Syndarma (Sindicato Nacional das Empresas de Navegação Marítima), Cleber Cordeiro Lucas.

O gerente-executivo de relacionamento do Poder Executivo da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Pablo Cesário, explica que as empresas estão fazendo as contas e tentando reduzir os custos criados pelo tabelamento. “Com a tabela de frete, o transporte rodoviário se tornou menos competitivo e as empresas já estudam a mudança de modal”, diz Cesário.

De acordo com ele, um movimento mais forte de migração aguarda a definição sobre a constitucionalidade do tabelamento que será analisada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) no fim deste mês.

Opção mais atrativa

A sócia-executiva do Ilos (Instituto de Logística e Supply Chain), Maria Fernanda Hijjar, comenta que desde a entrada em vigor da nova lei do frete a entidade recebe de duas a três empresas por dia pedindo uma revisão estratégica de transporte para reduzir o impacto da tabela.

“No passado, mesmo empresas que tinham frete típico de cabotagem [longa distância e com saída perto da costa] não colocavam toda a carga neste modal por ser mais demorada e a opção da via rodoviária era financeiramente atrativa. Há uma tendência de mudança e muitas empresas avaliam a cabotagem”, diz Hijjar.

O superintendente da Federação e Organização das Cooperativas do Paraná, Nelson Costa, afirma que vários produtores da região também avaliam a cabotagem.

O diretor de produto marítimo da DHL Global Forwarding, Ricardo Carui, diz que o movimento é mais intenso nas grandes empresas. “Já existe conversão do transporte rodoviário para a cabotagem particularmente nas empresas com departamento de logística mais maduro”, afirma.

A petroquímica Braskem, que já usava a cabotagem, confirmou à reportagem que avalia ampliar o uso deste modal. Porém, pequenas e médias empresas estão aderindo pela possibilidade de dividir contêineres.

“O contêiner seria como um ônibus que vai parando de porto em porto para pegar carga. Enquanto que o granel seria o táxi, a empresa contrata para uma rota específica e apenas sua mercadoria é transportada naquele espaço”, diz Hijjar, do Ilos.

Fonte: bit.ly/2LsiNzD

Os colaboradores do Grupo Buonny aderiram a Blue Friday

| EVENTOS | Sem Comentários
Na última sexta-feira (08), os colaboradores do Grupo Buonny aderiram a Blue Friday, uma ação para a conscientização de prevenção e combate ao Câncer de Próstata. (mais…)

Buonny Belo Horizonte promove evento de inovação

| EVENTOS, Gerenciamento de Riscos | Sem Comentários
Na última terça-feira (5), a Buonny Belo Horizonte realizou um evento para clientes, parceiros e amigos na churrascaria Baby Beef Steakhouse. (mais…)

Presidente da Buonny explica o papel da tecnologia na recuperação de cargas

| Gerenciamento de Riscos | Sem Comentários
De acordo com dados cruzados pelas polícias Civil, Militar e Rodoviária Federal, a ação de quadrilhas especializadas em roubos de cargas resultou em mais de 22 mil ataques a motoristas em todo o país, em 2018. Já a Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística – NTC apontou que…

Gerenciamento do Bem

| Sustentabilidade | Sem Comentários
Iniciativa da Central BuonnySat em Cajamar beneficia famílias carentes (mais…)
  RESPEITO SE CONQUISTA COM ATITUDES
SÃO PAULO – SP
55 11  5079.2500 / 55 11  3443.2500
BELO HORIZONTE – MG
55 31  3653.6317
CURITIBA – PR
55 41  3015.7109
PORTO ALEGRE – RS
55 51  3072.1375
GOIANIA – GO
55 62 3645.3400
SALVADOR – BA
55 71  3271.4680
SANTIAGO – CHILE
56 2 3251.1125
Buonny Projetos e Serviços de Riscos Securitários Ltda ® Todos os direitos reservados | Ouvidoria: 11 5079.2621 – ouvidoria@buonny.com.br
CNPJ: 06.326.025/0001-66 | IE: Isenta | Alameda dos Guatás, 191 – Jd. da Saúde – São Paulo / SP – CEP 04053-040