Negócios de eletroeletrônicos, químicos, aço, bens de consumo, produtos agrícola e alimentação, não para de crescer a lista de setores empresariais que sondam o potencial da cabotagem – a navegação costeira entre portos do mesmo país. Desde 2008, essa alternativa de transporte registrou crescimento anual médio de 10%.

O Porto do Rio Grande (RS), por exemplo, viu aumentar desde 2013 o transporte de arroz para Suape (PE), Fortaleza, Manaus e Itaguaí (RJ). De 2016 para cá, subiu também o carregamento de móveis do Sul para o Nordeste. Mas o aumento do custo com frete por causa do tabelamento, adotado pelo governo para acabar com a paralisação dos caminhoneiros, dá novo impulso à cabotagem.

“No primeiro semestre deste ano alcançamos 13% de expansão”, diz o presidente da Abac (Associação Brasileira dos Armadores de Cabotagem) e vice-presidente do Syndarma (Sindicato Nacional das Empresas de Navegação Marítima), Cleber Cordeiro Lucas.

O gerente-executivo de relacionamento do Poder Executivo da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Pablo Cesário, explica que as empresas estão fazendo as contas e tentando reduzir os custos criados pelo tabelamento. “Com a tabela de frete, o transporte rodoviário se tornou menos competitivo e as empresas já estudam a mudança de modal”, diz Cesário.

De acordo com ele, um movimento mais forte de migração aguarda a definição sobre a constitucionalidade do tabelamento que será analisada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) no fim deste mês.

Opção mais atrativa

A sócia-executiva do Ilos (Instituto de Logística e Supply Chain), Maria Fernanda Hijjar, comenta que desde a entrada em vigor da nova lei do frete a entidade recebe de duas a três empresas por dia pedindo uma revisão estratégica de transporte para reduzir o impacto da tabela.

“No passado, mesmo empresas que tinham frete típico de cabotagem [longa distância e com saída perto da costa] não colocavam toda a carga neste modal por ser mais demorada e a opção da via rodoviária era financeiramente atrativa. Há uma tendência de mudança e muitas empresas avaliam a cabotagem”, diz Hijjar.

O superintendente da Federação e Organização das Cooperativas do Paraná, Nelson Costa, afirma que vários produtores da região também avaliam a cabotagem.

O diretor de produto marítimo da DHL Global Forwarding, Ricardo Carui, diz que o movimento é mais intenso nas grandes empresas. “Já existe conversão do transporte rodoviário para a cabotagem particularmente nas empresas com departamento de logística mais maduro”, afirma.

A petroquímica Braskem, que já usava a cabotagem, confirmou à reportagem que avalia ampliar o uso deste modal. Porém, pequenas e médias empresas estão aderindo pela possibilidade de dividir contêineres.

“O contêiner seria como um ônibus que vai parando de porto em porto para pegar carga. Enquanto que o granel seria o táxi, a empresa contrata para uma rota específica e apenas sua mercadoria é transportada naquele espaço”, diz Hijjar, do Ilos.

Fonte: bit.ly/2LsiNzD

Presidente da Buonny explica o papel da tecnologia na recuperação de cargas

| Gerenciamento de Riscos | No Comments
De acordo com dados cruzados pelas polícias Civil, Militar e Rodoviária Federal, a ação de quadrilhas especializadas em roubos de cargas resultou em mais de 22 mil ataques a motoristas em todo o país, em 2018. Já a Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística – NTC apontou que…

Gerenciamento do Bem

| Sustentabilidade | No Comments
Iniciativa da Central BuonnySat em Cajamar beneficia famílias carentes (mais…)

Grupo Buonny participou da 45ª edição do Congresso Nacional de Recursos Humanos – CONARH

| EVENTOS | No Comments
Entre os dias 13 e 15 de agosto, a equipe de RH do Grupo Buonny participou da 45ª edição do Congresso Nacional de Recursos Humanos - CONARH. (mais…)

Cem anos de estrada e muita história para contar

| Gerenciamento de Riscos | No Comments
Neste Dia do Caminhoneiro, celebramos a história de quem corta as estradas do país para ganhar a vida na boleia. O Brasil é um dos países com uma das maiores malhas rodoviárias do mundo. Ao todo, são cerca de 1,8 milhões de quilômetros, as estradas são as principais transportadoras de…
  RESPEITO SE CONQUISTA COM ATITUDES
SÃO PAULO – SP
55 11  5079.2500 / 55 11  3443.2500
BELO HORIZONTE – MG
55 31  3653.6317
CURITIBA – PR
55 41  3015.7109
PORTO ALEGRE – RS
55 51  3072.1375
GOIANIA – GO
55 62 3645.3400
SALVADOR – BA
55 71  3271.4680
SANTIAGO – CHILE
56 2 3251.1125
Buonny Projetos e Serviços de Riscos Securitários Ltda ® Todos os direitos reservados | Ouvidoria: 11 5079.2621 – ouvidoria@buonny.com.br
CNPJ: 06.326.025/0001-66 | IE: Isenta | Alameda dos Guatás, 191 – Jd. da Saúde – São Paulo / SP – CEP 04053-040