O blockchain promete uma série de avanços na cadeia de suprimentos, dando mais eficiência, visibilidade e transparência às operações. A tecnologia, que inicialmente era usada apenas para transações com bitcoins, funciona como uma base de dados distribuída, em que os blocos de informações vão se conectando e formando um contexto mais completo, seguro e rastreável.

Dados divulgados em setembro deste ano pelo IDC apontaram que, até o final de 2018, devem ser gastos US$ 2,1 bilhões no desenvolvimento de produtos e serviços utilizando o blockchain. No Brasil, as empresas ainda estão dando os primeiros passos nessa tecnologia, já que, segundo o levantamento feito pela consultoria, de 4,2 mil startups, apenas nove estão aplicando blockchain nos negócios. O país ocupa a 11ª posição no uso de blockchain.

Na logística, o blockchain permite que todos os produtos tenham sua jornada rastreada em todos os momentos da cadeia de produção. Diante deste cenário, a implementação de tecnologias de blockchain podem ajudar as empresas a registrarem preços, datas, localização, qualidade, conformidade e outros dados relevantes para gerenciar com eficiência a cadeia de suprimentos.

Com isso, é possível garantir a qualidade final dos itens, fortalecendo a imagem corporativa ao garantir a confiabilidade dos insumos usados na fabricação e a segurança na entrega, aumentar a visibilidade, a transparência e a conformidade de todos os contratos e processos, aumentando a credibilidade e a confiança pública nos dados compartilhados, reduzir gastos com papelada e custos administrativos, e aumentar o engajamento entre todas as partes envolvidas, desde a produção até o cliente final.

Confiabilidade na linha de produção

Sem transparência, segurança e rastreabilidade, seja em cadeias de suprimentos globais ou locais, é extremamente complicado identificar se existe alguma fraude ou prática ilícita nas linhas de produção. A tecnologia blockchain na área de logística permite verificar a origem e a autenticidade dos suprimentos que fazem parte de cada etapa da cadeia, garantindo a qualidade do produto final. Contratos inteligentes, que passam a ser um dos blocos da cadeia, definem as regras sobre as transações e automatizam as interações entre as partes.

Na fabricação de aviões, por exemplo, o blockchain pode facilitar a garantia da qualidade dos suprimentos. Na transação de peças que vão ser usadas na montagem da aeronave, contratos inteligentes podem rastrear a procedência de cada peça conforme sua integração aos processos logísticos.

Seu trajeto desde a sua linha de produção até o local onde vai ser usada na montagem é longo: a peça sai da fábrica em um caminhão contêiner que é descarregado no armazém em um determinado porto. Dali, esse contêiner é enviado ao porto de destino, onde é carregado em um caminhão, entregue na distribuidora e, então, encaminhado ao seu destino – o pátio da empresa fabricante.

Como o blockchain funciona como um bloco de informações, onde todos os processos e transações formam um histórico único e criptografado de ponta a ponta, e com a inserção de contratos inteligentes nessa cadeia, é possível garantir a integridade dos processos e ter certeza de que a peça que chegou ao pátio de montagem é a legítima.

Um contrato inteligente funciona como se fosse um contrato normal firmado entre duas partes, com a diferença de que ele é digital, não pode ser perdido ou adulterado, e é executável. Com isso, é possível garantir a execução de acordo automatizado, eliminando intermediários e, consequentemente, gerando menos burocracia e mais agilidade.

Na saída da fábrica, é gravado um número de rastreamento, que é digitalizado e se torna a primeira entrada no blockchain. A partir daí todas as etapas da logística passam a monitoradas, independentemente do número de fornecedores e transportadores que manipulem o item.

Com isso, a tendência é que os processos logísticos se tornem cada vez mais automatizados e integrados à toda a cadeia produtiva, garantindo mais segurança e qualidade à linha de produção, evitando riscos e reduzindo custos.

Por Jefferson Castro, gerente de produto da Atech.

Fonte: CargoNews

Presidente da Buonny explica o papel da tecnologia na recuperação de cargas

| Gerenciamento de Riscos | No Comments
De acordo com dados cruzados pelas polícias Civil, Militar e Rodoviária Federal, a ação de quadrilhas especializadas em roubos de cargas resultou em mais de 22 mil ataques a motoristas em todo o país, em 2018. Já a Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística – NTC apontou que…

Gerenciamento do Bem

| Sustentabilidade | No Comments
Iniciativa da Central BuonnySat em Cajamar beneficia famílias carentes (mais…)

Grupo Buonny participou da 45ª edição do Congresso Nacional de Recursos Humanos – CONARH

| EVENTOS | No Comments
Entre os dias 13 e 15 de agosto, a equipe de RH do Grupo Buonny participou da 45ª edição do Congresso Nacional de Recursos Humanos - CONARH. (mais…)

Cem anos de estrada e muita história para contar

| Gerenciamento de Riscos | No Comments
Neste Dia do Caminhoneiro, celebramos a história de quem corta as estradas do país para ganhar a vida na boleia. O Brasil é um dos países com uma das maiores malhas rodoviárias do mundo. Ao todo, são cerca de 1,8 milhões de quilômetros, as estradas são as principais transportadoras de…
  RESPEITO SE CONQUISTA COM ATITUDES
SÃO PAULO – SP
55 11  5079.2500 / 55 11  3443.2500
BELO HORIZONTE – MG
55 31  3653.6317
CURITIBA – PR
55 41  3015.7109
PORTO ALEGRE – RS
55 51  3072.1375
GOIANIA – GO
55 62 3645.3400
SALVADOR – BA
55 71  3271.4680
SANTIAGO – CHILE
56 2 3251.1125
Buonny Projetos e Serviços de Riscos Securitários Ltda ® Todos os direitos reservados | Ouvidoria: 11 5079.2621 – ouvidoria@buonny.com.br
CNPJ: 06.326.025/0001-66 | IE: Isenta | Alameda dos Guatás, 191 – Jd. da Saúde – São Paulo / SP – CEP 04053-040