Foram mais de cinco anos de espera, entre burocracias, para que o perigoso trecho da rodovia Regis Bittencourt, conhecido como Serra do Cafezal, finalmente fosse totalmente duplicado e entregue ao tráfego, no final de 2017. A estrada se destaca como a principal rota de caminhões entre as capitais dos Estados de São Paulo e do Paraná e também das regiões Sudeste e Sul do País.

Esperada há décadas por carreteiros, veteranos aposentados e também por muitos que já saíram da atividade, além de outros usuários da estrada, a duplicação da pista no trecho da Serra passou a ser vista por muitos como uma realização que não viveriam para usufruir. O desejo de ver a obra concluída se deve ao fato de o trecho ser visto sempre como um dos responsáveis pelo alto índice de acidentes e, por consequência, congestionamentos, com maior incidência em finais de semana e feriados.

Dados da Polícia Rodoviária Federal mostram que nos últimos 10 anos, entre os km 336 e 366 (último trecho duplicado) aconteceram 3.994 acidentes. Só em 2010 foram registrados os maiores números, 502 no total. Em 2017 a PRF computou 216 acidentes, mostrando que houve uma redução no número de ocorrências.

Mas porquê a conclusão dessa obra demorou tantos anos para se tornar uma realidade? Um dos motivos foi uma ação pública do ano de 2002 questionando a licença prévia da duplicação do trecho da Serra do Cafezal. Em 2008, quando a concessionária Arteris assumiu a administração da estrada, a ação civil pública ainda tramitava e a questão acabou sendo resolvida somente no mês de abril do ano seguinte, quando a ação foi julgada improcedente. Cinco meses depois foi possível iniciar o processo de licenciamento junto ao Ibama.

Para agilizar o processo, a Arteris optou por viabilizar o licenciamento, no âmbito de Licença de Instalação de dois segmentos: no início e fim da Serra, extensões onde os impactos das obras de duplicação se mostravam menores. Assim, a Serra foi “dividida” em três partes, sendo que o trecho central era o de maior complexidade ambiental.

Em abril de 2010, foram emitidas duas Licenças de Instalação: uma de sete quilômetros e outra de quatro, relativas aos dois trechos de extremidades da Serra, totalizando 11 quilômetros licenciados. As obras foram iniciadas no mesmo ano e concluídas em 2012. Finalmente, em janeiro de 2013, a Régis Bittencourt obteve a liberação da Licença de Instalação para as obras de duplicação do trecho restante entre o km 344 e o km 363, em Miracatu/SP.

Porém, ainda em 2013, um TAC (Termo de Ajuste de Conduta) assinado no mês de setembro, entre a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e sete concessionárias de rodovias federais, acabou por exigir alterações no projeto. Isso implicou, por exemplo, na construção de novas pontes, viadutos e até túneis não previstos inicialmente no projeto, demandando de mais tempo e investimento ainda maior. A última entrega, de 10 quilômetros, aconteceu em dezembro de 2017.

“Para a economia brasileira, esse empreendimento deve potencializar e facilitar as relações comerciais com os demais países do Mercosul. Essa facilidade estará na certeza de uma viagem mais rápida, segura e sem pontos de congestionamento. Os principais benefícios serão a segurança e a fluidez do tráfego”, afirmou Nelson Bossolan, superintendente da Arteris Régis Bittencourt.

Obras de revitalização

O trecho da Serra do Cafezal, de aproximadamente 10 quilômetros, com pista antiga, foi utilizado até a conclusão das obras de duplicação, porém, receberá obras de revitalização ao longo deste primeiro semestre de 2018, conforme está planejado. A explicação é do superintendente da Arteris Régis Bittencourt, Nelson Bossolan.

De acordo com Bossolan, o trecho não podia ser totalmente revitalizado para não atrapalhar o tráfego da rodovia. “Agora que a duplicação está entregue e todas as pistas liberadas para o tráfego, a concessionária poderá realizar as obras de revitalização com um impacto menor aos usuários”, explicou Bossolan.

Sobre a implantação de áreas de descanso para caminhoneiros, ele afirma que realiza constantes estudos nos trajetos das rodovias com o objetivo de implementar melhorias aos usuários. Por questões contratuais com o poder concedente, não estão previstas áreas de descanso no trecho que corta a Serra do Cafezal (DG).

Fonte: goo.gl/uQCkXG

Campanha aplica teste de COVID-19 e vacina contra H1N1 em caminhoneiros

| AMIGOS DA CARGA, DICAS, Gerenciamento de Riscos, Gestão de Frota, LOGÍSTICA, Rodovias, SEGURANÇA, TECNOLOGIA, Transporte | Sem Comentários
Em cinco pontos da Baixada Santista (SP), é possível realizar a testes do COVID-19 e se vacinar contra o H1N1 (mais…)

Colaboradores da Central BuonnySat de Cajamar auxiliam famílias carentes e afetadas pela pandemia de Covid-19

| AMIGOS DA CARGA, ECONOMIA, Gerenciamento de Riscos, Gestão de Frota, LOGÍSTICA, Rodovias, SEGURANÇA, TECNOLOGIA, Transporte | Sem Comentários
Funcionários alocados na Central BuonnySat Externa da LG, em Cajamar, região metropolitana de São Paulo, se uniram, mais uma vez em ação voluntária, para ajudar famílias carentes, que perderam seus empregos e estão passando por dificuldades, devido à pandemia de Covid-19. (mais…)

Roubo de cargas apresenta queda em 2019, de acordo com NTC&Logística

| AMIGOS DA CARGA, ECONOMIA, Gerenciamento de Riscos, Gestão de Frota, LOGÍSTICA, Rodovias, SEGURANÇA, TECNOLOGIA, Transporte | Sem Comentários
A Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística) acaba de apresentar dados estatísticos sobre roubos de cargas no Brasil, em 2019. (mais…)

Buonny é responsável pela segurança de transporte de máscaras e testes de Covid-19

| AMIGOS DA CARGA, ECONOMIA, Gerenciamento de Riscos, Gestão de Frota, LOGÍSTICA, Rodovias, SEGURANÇA, TECNOLOGIA, Transporte | Sem Comentários
Foram feitas mais de 40 viagens, avaliadas em mais de R$ 150 milhões, entre abril e maio (mais…)
  RESPEITO SE CONQUISTA COM ATITUDES
SÃO PAULO – SP
55 11  5079.2500 / 55 11  3443.2500
BELO HORIZONTE – MG
55 31  3653.6317
CURITIBA – PR
55 41  3015.7109
PORTO ALEGRE – RS
55 51  3072.1375
GOIANIA – GO
55 62 3645.3400
SALVADOR – BA
55 71  3271.4680
SANTIAGO – CHILE
56 2 3251.1125
Buonny Projetos e Serviços de Riscos Securitários Ltda ® Todos os direitos reservados | Ouvidoria: 11 5079.2621 – ouvidoria@buonny.com.br
CNPJ: 06.326.025/0001-66 | IE: Isenta | Alameda dos Guatás, 191 – Jd. da Saúde – São Paulo / SP – CEP 04053-040